[Resenha] Eu sei o que você está pensando

Uma carta perturbadora chega via correio com uma simples declaração ao final: “Veja como conheço seus segredos – apenas pense em um número.” Errará quem pensar que uma carta dessas chega a seu destino final apenas por obra do acaso. Para o detetive aposentado da polícia de homicídios da cidade de Nova York, Dave Gurney, que está formando uma nova vida ao lado de sua esposa Madeleine, as cartas começam a deixar de ser estranhas para se tornarem um complicado quebra-cabeça que levará a uma enorme investigação sobre assassinatos em série. Trazido para o caso como consultor, Gurney em pouco tempo percebe pistas que a polícia local deixou passar. Ainda assim, diante de um oponente que parece ter o dom da clarividência, Gurney vê seus esforços irem em vão, seu casamento rumando a um precipício e, finalmente, um medo incontrolável de que seu adversário não pode ser parado.

Com essa intrigante e chamativa sinopse, eu me vi extremamente curiosa à ler esse livro, apesar de não ter lido muitos romances policiais ultimamente, eu realmente precisava ler esse livro.

Apesar de possuir uma narrativa em 3ª pessoa, o livro segue uma visão do protagonista David Gurney, um detetive aposentado que é considerado um herói, apesar da vida agitada de David como policial, atualmente ele possui uma vida monótona com a esposa Madeleine, dessa forma passamos a conhecer mais profundamente a vida de David, seus questionamentos internos e seus problemas pessoais, como seus problemas com o distanciamento do seu pai em sua infância e seu atual casamento, passamos então a conhecer David por completo, o que nos ajuda a entender todas as suas decisões.

O inicio do livro pode se tornar meio cansativo, devido a forma que o autor explora a questão do casamento desgastado de David e seus fantasmas do passado, detalhando muito essas partes o livro começa a andar mais mesmo mais para frente, para mim a leitura começou a me prender com o surgimento do personagem Mark Mellery, Mark é um velho amigo de faculdade de David que retorna ao receber uma envelope que lhe pedia para pensar em um número de um à mil e só depois abrir o envelope, Mark o faz e quando abre o envelope vê nesse exatamente o número que tinha pensado.

Agora imaginem-se no lugar de Mark, você recebe um envelope de alguém desconhecido lhe pedindo para pensar em um número de 1 a 1000 e ao abrir o envelope você vê exatamente o número que você pensou, é de enlouquecer não acha? Se eu fosse o Mark tinha criado na hora um chapéu de papel aluminio porque definitivamente não quero ninguém lendo meus pensamentos.

A partir daí o livro se torna um verdadeiro quebra cabeça, daqueles que você não consegue parar de ler até juntar todas as partes dessa quebra cabeça, tendo um final surpreendente, esse com certeza é um livro que ficará marcado para mim.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *