Categories:

A Bolsa Amarela é a história de uma menina que entra em conflito consigo mesma e com a família ao reprimir três grandes vontades (que ela esconde numa bolsa amarela ) – a vontade de crescer, a de ser garoto e a de se tornar escritora. A partir dessa revelação – por si mesma uma contestação à estrutura familiar tradicional em cujo meio “criança não tem vontade” – essa menina sensível e imaginativa nos conta o seu dia-a-dia, juntando o mundo real da família ao mundo criado por sua imaginação fértil e povoado de amigos secretos e fantasias. Ao mesmo tempo que se sucedem episódios reais e fantásticos, uma aventura espiritual se processa, e a menina segue rumo à sua afirmação como pessoa.

A Bolsa Amarela é um livro da brasileira Lygia Bojunga, que demonstra que os livros infantis são ótimos também para adultos.Este é aquele tipo lindo de filme que trás ensinamentos e lições de vida tanto para crianças de 8 como para crianças de 80 anos. Quem narra a historia é Raquel, uma garota que tem três grandes desejos: Ser escritora, ser menino e ser adulta.

Esses desejos são tão grandes que ela acaba tendo de arrumar um lugar para esconde-los e assim surge a bolsa amarela, onde ela esconde desde seus desejos até mesmo um Afonso, um galo saido de uma historia escrita por ela mesma.

Volta e meia os desejos acabam ficando maiores e por isso ela passa por maus bocados no decorrer da estoria.

Ai vocês me perguntam : O que uma estória tão boba assim acaba trazendo grandes ensinamentos?

Primeiro; ela me ensinou que por mais que riam de nossos sonhos devemos sempre ter forças pra correr atrás deles.

Segundo; me ensinou que devemos sempre ser nós mesmo e não tentar ser diferentes pois a unica pessoa que temos que agradar é você mesmo.

Eu já li esse livro nove vezes, nunca me canso.É uma leitura super rápida e pequena que vale muito a pena conhecer e apreciar.

Lygia Bojunga Nunes (Pelotas26 de agosto de 1932), ou simplesmente Lygia Bojunga, é uma escritora brasileira. Iniciou a sua vida profissional como atriz, tendo-se dedicado ao rádio e ao teatro, até voltar-se para a literatura. Com a obra Os colegas(1972) conquistou um público que se solidificou com Angélica (1975), A casa da madrinha (1978), Corda bamba (1979), O sofá estampado (1980) e A bolsa amarela (1981). Por estes livros recebeu, em 1982, recebeu o Prêmio Hans Christian Andersen, o mais importante prêmio literário infantil, uma espécie de Prêmio Nobel da literatura infantil. O prêmio foi concedido pela International Board on Books for Young People, filiada à UNESCOOs colegas já antes havia conquistado o primeiro lugar no Concurso de Literatura Infantil do Instituto Nacional do Livro (INL), em 1971, com ilustrações do desenhista Gian Calvi.

 


No responses yet

  1. how are you??ugloed ierki kdusju up more night i am impressed VERY GOOD!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!<3

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *