“Bilbo Bolseiro (Martin Freeman) vive uma vida pacata no condado, como a maioria dos hobbits. Um dia, aparece em sua porta o mago Gandalf, o cinzento (Ian McKellen), que lhe promete uma aventura como nunca antes vista. Na companhia de vários anões, Bilbo e Gandalf iniciam sua jornada inesperada pela Terra Média. Eles têm por objetivo libertar o reino de Erebor, conquistado há tempos pelo dragão Smaug e que antes pertencia aos anões. No meio do caminho encontram elfos, trolls e, é claro, a criatura Gollum (Andy Serkis) e seu precioso anel.”

Fui ver o filme apenas porque uma amiga ia viajar e seria uma despedida dela, porque eu tentei de todas as formas gostar de Senhor dos Anéis mas não tive tanto sucesso, pensei que seria a mesma coisa sobre “O Hobbit” ainda mais quando me disseram que o filme não era nem um terço do livro, pensei “ótimo, mas um filme sem final”, mas me surpreendi com esse filme, apesar de o filme durar 2:49h, ou seja, ser um filme mega longo, você de verdade não vê o tempo passar, o começo do filme, confesso que é meio chatinho, com todas aquelas explicações, mas depois, quando a ação começa, você fica com vontade de não piscar os olhos para ter certeza que não perderá nada.

Tendo uma ótima fotografia, você fica realmente de boca aberta com alguns lugares, principalmente com o local que os elfos moram (eu não sei o nome, não me xinguem), além é claro das cenas de luta que são surpreendente e devem ter dado um mega trabalho, pois a sequência da luta na caverna parece ser uma cena gravada de uma tomada só, pois sua sequência é ótima.

Outra coisa que me surpreendeu foi a cena com o Sméagol, ele é muito fofo, ok, ele não é fofo exatamente fofo, mas a cena dele é muito boa, é épica, você tem odio dele ao mesmo tempo sente pena dele, eu acho que é uma das melhores cenas provavelmente.

Mas pelo visto o filme não foi só felicidade, vi no site Adoro Cinema que o filme teve diversos problemas e brigas, quase que ele não sai pelo visto, veja abaixo as curiosidades do filme que tirei do Adoro Cinema.

Curiosidades

  • Uma briga judicial iniciada em 2008 quase colocou a produção no buraco porque os herdeiros do autor ameaçaram impedir a produção enquanto não recebessem o montante de US$ 220 milhões referentes aos filmes já realizados e não pagos pela New Line.
  • O diretor Guillermo del Toro era a escolha inicial para pilotar o projeto. Mas em maio de 2010, o cineasta, que chegou a se mudar para a Nova Zelândia, desistiu de tudo por causa dos constantes atrasos provocados pelas dificuldades financeiras do estúdio Metro Goldwyn Mayer (MGM). Aos 45 anos, del Toro chegou a afirmar que foi a decisão mais dura de sua vida. Ele seguiu na produção apenas como roteirista.
  • Definido, inicialmente, apenas como produtor, o cineasta Peter Jackson assumiu a função de diretor em outubro de 2010, acabando com o suspense que durou cerca de cinco meses. No mesmo mês, o filme tornou a ser ameaçado por causa de uma rebelião da equipe técnica, reclamando de maus tratos e remuneração não efetuada por Jackson e seu staff.
  • Em dezembro de 2010, novo problema: Foram espalhados anúncios pela Nova Zelândia, afirmando que a produção procurava por pessoas de “tom de pele claro”. A situação piorou quando um agente não deixou uma atriz de origem paquistanesa, Naz Humphreys, participar dos testes por causa do tom de pele. Peter Jackson ordenou a demissão do agente e negou qualquer orientação preconceituosa.
  • Em janeiro de 2011, mais um revés para o filme: o diretor Peter Jackson foi internado para tratar de uma úlcera perfurada e ameaçou novamente o início das filmagens.
  • Em 2009, surgiram rumores de que Tobey Maguire (Homem-Aranha) iria interpretar Bilbo Bolseiro, mas o próprio ator negou a informação sobre o personagem, que acabou nas mãos do ator Martin Freeman.
  • Além de Maguire, Daniel Radcliffe, Shia LaBeouf, David Tennant, James McAvoy e Erryn Arkin estiveram cotados para interpretar Bilbo Bolseiro.
  • Ron Perlman, velho parceiro de Guillermo del Toro, teria um papel reservado no filme, mas deixou o projeto juntamente com o diretor.
  • As filmagens começaram somente a partir de 20 de março de 2011 e duraram 14 meses. Todos os filmes da série foram rodados juntos.
  • O filme foi rodado com 30 câmeras Red Epic, que era o modelo mais recente disponível na época das filmagens.
  • Inicialmente o livro “O Hobbit” renderia apenas dois filmes. Entretanto, após o término das filmagens, o diretor Peter Jackson e a Warner Bros concordaram em redividir o material rodado em três longa-metragens. Desta forma, O Hobbit: A Desolação de Smaug será lançado em 2013 e O Hobbit – Lá e de Volta Outra Vez chegará aos cinemas em 2014.

No responses yet

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *