[Resenha]A Fera

a fera

A arrogância de Kyle Kingson (Alex Pettyfer), um jovem bonito, rico e inteligente, faz com que ele seja amaldiçoado pela colega de classe Kendra (Mary-Kate Olsen) após humilhá-la na frente de toda a escola. Transformado numa aberração e rejeitado pelos pais, Kyle é exilado no Brooklyn. Lá descobre que só terá sua beleza de volta quando alguém amá-lo verdadeiramente, provando que nenhum amor pode ser feio.

Eu estava muito afim de ver esse filme, não apenas para ver Alex Pettyfer sem camisa, mas eu achei que deveria ser interessante a historia de “A Bela e a Fera” escrita de forma mais contemporânea e realmente gostei muito, a atuação dos atores está ótima e inicialmente você realmente consegue odiar o Kyle, o filme tem a duração de 86 minutos, então é bem rápido e nenhum pouco cansativo e a maquiagem feita no Alex é surpreendente, fora os efeitos especiais da tatuagem.
Kyle, o nosso personagem principal, mora apenas com o pai, ele é aquele tipo de cara popular na escola por ser bonitão e todos querem ser como ele, o garoto teve uma criação de achar que beleza é tudo o que importa, o que nos vemos bastante por aí, e que conseguirá tudo o que quer apenas sendo bonito. Ele começa o filme concorrendo a presidente de turma, algo assim, e seu discurso para votarem nele é “Eu sou bonito e tenho um pai rico, por isso vocês devem votar em mim, porque isso é tudo o que importa” e ele realmente vem a ganhar a votação da escola.
Uma das alunas Kendra, que é considerada estranha, vai contra ele, não tem medo de enfrenta-lo e praticamente dizer que ele é ridículo por pensar assim, essa aluna, a Kendra é chamada de bruxa por todos, e mal vista, Kyle resolve pregar uma peça nela, convidando-a para uma festa, ela percebe que ele de alguma formar quer aprontar com ela, e o alerta que não se deve mexer com uma bruxa, Kyle não dá bola e resolve continuar com a brincadeira, humilhando-a na frente de todos na tal festa, nisso ela joga uma maldição nele, onde Kyle ficaria deformado até alguém dizer que o amava de verdade, naquela forma deformada, mas ele tinha apenas um ano para isso.
Assim que o pai o vê daquela forma tenta leva-lo ao médico para fazer plástica no filho, mas o mesmo fala que isso não adiantaria, Kyle então é mandado para uma casa, onde pode se esconder do mundo, a empregada da casa, que Kyle sempre humilhou, é enviada a ficar com ele e um amigo de seu pai que é cego, também é enviado para ficar com ele como tutor, Kyle então começa a perceber o verdadeiro valor das coisas e passa a ser alguém mais humilde, ao ver que a unica pessoa que ele se importava, que é se pai, não estava com ele, e a mulher que ele humilhava estava ali do lado dele ajudando-o.
Perto do pulso, Kyle ganhou uma tatuagem de árvore, que Kendra disse que ele tem que achar alguém que fale “Eu te amo” para ele, antes de a árvore dar flores novamente.
Eu gostei muito do filme e apesar de parecer meio surreal as pessoas gostarem apenas do bonito, na verdade não é, principalmente quando se é adolescente, as pessoas bonitas são mais confiantes e mais populares, podem ser burros, mas todos gostam e idolatram eles, quantas vezes o bonito foi eleito como presidente de turma, presidente do grêmio, quando estudamos? Infelizmente nós vivemos em uma sociedade onde a beleza exterior ainda conta mais para a maioria do que a beleza interior, onde vemos primeiro a aparência para depois tentarmos conhecer as pessoas e esse filme mostra bastante isso, mostra que devemos conhecer o monstro interno de cada um antes de qualquer coisa.
É um filme que vale a pena ver, acho que não ir ao cinema e ver, mas alugar quando estiver em DVD, ou esperar para ver na TV, porque apesar de ser um filme realmente interessante a história é um pouco batida e apesar da maquiagem e do efeito especial serem realmente bons, não são aquilo que você sentirá mais emoção vendo no cinema, é um típico filme de sessão da tarde, para ser ver ao lado do namorado.

1 comentário Adicione o seu

  1. Isabella disse:

    Quando que foi lanado no cinema esse filme????

    1. mionelefay disse:

      Se eu não me engano, aqui no RJ foi no dia 23 de Dezembro 2011

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *