[Crítica] Alita: Anjo de Combate

Depois de anos, James Cameron retorna a mais uma ficção-cientifica, tendo passado por clássicos como ‘O Exterminador do Futuro’, ‘Titanic’ e ‘Avatar’, o diretor é um dos mais conceituados em Hollywood.

Baseado no manga japonês de mesmo nome, mas também conhecido como ‘Gunnm’, ‘Alita’ teve o roteiro escrito por Cameron e conta com a direção de Robert Rodriguez, e um ótimo elenco.

Não tem como negar, o filme é um espetáculo visual, tanto nos ambientes como nos personagens. Toda a computação gráfica em torno dos atores ficou perfeita, tanto Rosa Salazar, como o restante do elenco ficaram irreconhecíveis, mas humanos. E é essa parte humana nos personagens que te prende ao filme, pois tanto o físico quanto o emocional, Alita logo de cara consegue conquistar o publico com seus olhos imensos, seu jeito ingenuo, e ao mesmo tempo apaixonado. Você torce para que o amor do casal vingue, e vibra em cada uma das cenas de luta em que Alita participa.

A direção de Rodriguez foi uma das grandes surpresas do filme para mim, pois mesmo que o diretor já tenha participado de filmes de grande orçamento, sua maior especialidade sempre foram os filmes de baixo orçamento, como por exemplo ‘Um Drinque No Inferno’, e muito menos filmes com um grande volume de CGI. Mas assistindo ao filme, não existe nada de ruim no visual, tudo está da melhor maneira possível. Rodriguez consegue entregar cenas excelentes de ação, batalhas vivas e de tirar o folego, e que usufruem da melhor maneira seu CGI, ficando espetacular na tela IMAX. O 3D sempre é falho, mas todo o restante está nos trinques.

O filme consegue emocionar em vários momentos, com cenas bonitas de despedida ou simplesmente de amor, e isso foi uma grande surpresa vindo de Robert, mas esperado de Cameron. Mas infelizmente nem tudo são flores nesse mundo distópico.  Logo no inicio do filme eu senti um grave problema de falta de ritmo no filme, cenas rápidas que aproveitam pouco de seu ambiente, e menos ainda de seu belo elenco. Esse problema perpetua por boa parte do filme, e minha impressão foi que Robert queria terminar logo. Depois eu entendi o porque, já que James Cameron escreveu um roteiro de mais de três horas e entregou nas mãos de Robert, que no caso, fez os cortes a sua escolha. Sem duvida a pior decisão de James, pois assim muito foi perdido do interior de cada personagem, varias escolhas perdem o peso pela fraca conexão com aquele personagem apresentado, da mesma forma como a evolução de outros acontece de forma abrupta na tela, e dessa forma, o peso é completamente desperdiçado e a cena se torna forçada.

Infelizmente com esses cortes, o ótimo elenco também é totalmente desperdiçado, Christoph Waltz é o melhor aproveitado mas também garante mais presença em tela, ao lado de Rosa Salazar, a protagonista. Nomes como Jennifer Connelly e Mahershala Ali não serviram de nada, pois seus personagens são vazios. E nem mesmo o passado da personagem de Jannifer te ajuda a criar algum laço emocional, pois sua presença é antagônica em seu pouco espaço em tela, e sua virada é abrupta demais para ser sentida.

Mas mesmo com esses problemas em relação ao roteiro, ‘Alita: Anjo de Combate’ ainda é um grande filme, divertido, boa direção, visual incrível e ótimas cenas de ação.

Ps: O filme não conta com cena pós-crédito.

Nota: 8.5/10


Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s