[Crítica] Westworld – Temporada 2

O novo sucesso da HBO, criado por Jonathan Nolan e Lisa Joy, bateu todas as expectativas com uma primeira temporada absurdamente bem escrita, porem confusa, e essa confusão apenas se agravou por toda a segunda temporada. Até que ponto um roteiro confuso pode atrapalhar o publico?

‘Westworld’ é a mais nova queridinha da ‘HBO’, sendo que todos já chamam a série de futura sucessora de ‘Game of Thrones’, mas diferente da série da mãe dos dragões, os cowboys robôs da terra onde tudo é possível (se você for rico), não tem o mesmo apelo do grande publico, sua difícil estrutura de narrativa acaba levando a um problema grande de compreensão de pessoas que estão acostumadas com séries de super-heróis, onde o episódio da semana geralmente não leva grandes dores de cabeça para ser absorvido. Isso é um erro? Não, na verdade a estrutura espetacular de como os roteiristas decidem levar a estoria ao publico é louvável, não existe nível como o de ‘Westworld’ hoje dentro da TV. Porem, durante os 10 episódios pode ser que você se perca em vários momentos, e isso se torna uma barreira compreensível para o publico geral.

Mesmo gostando mais de como a estoria foi contada na primeira temporada, eu tenho que admitir que a qualidade continua igual. Não sei até onde os roteiristas vão conseguir chegar com tanto trabalho, e tenho medo que essa necessidade de tapar o buraco de ‘Game of Thrones’ se torne o fim da série, com tramas e subtramas desessenciarias. Não consigo ver ‘Westworld’ como uma série longa, ela precisa ter um começo, um meio e um fim muito bem planejados, ou será mais uma ‘Lost’ na vida de tantos fãs decepcionados.

Fora o roteiro, também temos que admitir que hoje o elenco de ‘Westworld’ é o melhor da televisão, e sem duvida o mais estrelado. Nessa temporada, Evan Rachel Wood retorna ainda melhor, com uma atuação potente e estimulante, Anthony Hopkins que foi um retorno inesperado, aparece para aumentar ainda mais a qualidade da série, seu tom de voz, sua atuação, sempre dão a Bernard os melhores momentos para se seguir com a série, isso sem falar no próprio Jeffrey Wright que entrega um ótimo personagem desde a primeira temporada. Todo o elenco é muito bem organizado, e até os menos famosos tem bons momentos em tela, e não perdem em nada para os gigantes que estão em volta.

A direção da série contribui muito para o andar do roteiro difícil de ser digerido, que esse ano foi realmente um quebra-cabeça. Mas mesmo dessa forma, em alguns momentos ficando confuso com uma ou outra revelação, eu acredito que se a série for assistida com atenção, você consegue tirar o melhor dela. A forma como a temporada foi apresentada é de extrema surpresa, pois mesmo dando para perceber que existe uma mudança temporal para cada narrativa presente ali, você não sente isso de uma forma nítida, até pelo menos o episódio sete ou oito. Um trabalho monstruoso, sem duvida, mas também não sei se é totalmente necessário. Não posso negar a qualidade, mas a série poderia ter a mesma qualidade e os mesmos plot twists sem precisar embaralhar tudo como em um cubo mágico, ficar preso a essa forma de narrativa pode causar um grande problema na estrutura da série, que ao invés de contar uma boa estoria, fica preso apenas a necessidade da surpresa. ‘Mr Robot’ é o grande exemplo disso, teve uma primeira temporada muito elogiada e surpreendente, mas ficou tão preso a essa necessidade que entregou uma segunda fraca, e precisou atrasar mais de um ano para se reorganizar. Algo que pelo visto será adotado pelos roteiristas logo de cara, já que a série não parece ter a necessidade de uma temporada por ano, sabia decisão da HBO em permitir isso.

Até o momento, ‘Westworld’ parece ter aprendido com tantas outras séries que começaram bem e foram tendo uma morte lenta na TV, com uma segunda temporada espetacular em coesão, qualidade e organização. Os androids conseguiram mais um ano da gigante HBO, e espero que consiga todos os anos que quiser, desde que mantenha a qualidade necessária, e saiba a hora de abandonar o navio, como os próprios roteiristas de ‘Game of Thrones’ fizeram sabiamente, e claro, a HBO está de parabéns por dar liberdade aos seus criadores dessa forma, mais emissoras e estúdios deveriam aprender que quantidade não é tudo, e sim a qualidade.

Nota: 10/10


2 Comments Add yours

  1. mionelefay diz:

    Adorei a crítica… Fiquei com vontade de ver.

    Gostar

  2. Teddy diz:

    Hi

    I wanted to order a item from your webshop.
    but I can not find the product anymore on your site,
    it looks like this on this site https://bit.ly/Productitem422
    I hope you will sell the product again soon,
    mail me if you are going to sell it again, I’ll wait

    Greetings

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s