Star Wars – Os Últimos Jedi [crítica]

948-1512673978

A franquia Star Wars volta ao cinema com The Last Jedi/Os últimos Jedi e não deixa a desejar!

A aventura começa com o comandante Poe Dameron (Oscar Isaac) liderando um ataque à frota do General Hux (Domhnall Gleeson), contrariando as ordens de General Organa (Carrie Fisher) e se mostrando um “fanfarrão” – palavras dela, não minhas #BopeFeelings – acaba sendo rebaixado por desobediência e é quando Finn (John Boyega) acorda e, como um conhecedor das plantas das naves da Primeira Ordem,ajuda Poe a bolar um plano para fazer com que a nave que contém os remanescentes da Aliança Rebelde consiga escapar para fixar-se em uma nova base.

Enquanto isso, Rey (Daisy Ridley) tenta convencer Luke Skywalker (Mark Hamill) a voltar e ajudar a Aliança com o poder da força. Com muita sabedoria ele acaba por ensinar algumas lições a jovem ex-catadora de lixo. A força é poderosa nela, tal qual em Kylo Ren (Adam Driver) e Luke recorda tudo que aconteceu antes de seu sumiço nos confins da galáxia.

O filme inteiro é de muita tensão, diversas vezes prendi a respiração esperando pelo que vinha acontecer a seguir. Como um filme de guerra, muitas mortes vêm e te desestabilizam. As reviravoltas que te fazem querer xingar alto dentro da sala de cinema e que te deixam aliviado.

Preciso dizer que as atuações foram excelentes, senti a empatia e a confusão dos personagens como se fossem as minhas, até porque muitas também eram. A força que Carrie Fisher consegue transmitir nos faz acreditar na Aliança. Laura Dern e Benício del Toro, mesmo que com personagens que você não acha serem importantes nos deixam impactados com sua maestria em atuação.

O que gostei muito é o fato de que os StormTroopers estão cada vez mais difíceis de serem abatidos tornando todo e qualquer embate com blasters e corpo a corpo mais espirituosos.

Os cenários coloridos e trazendo novidades quanto à galáxia encantam e voltam a mostrar uma realidade que vimos apenas com nossos personagens principais  (Luke e Anakin), a dos oprimidos, menos favorecidos, escravos  e abusados por outras raças alienígenas.

Saí da sala de cinema impressionada como há muito não saía, com a certeza de que esta é sim a minha saga favorita de todos os tempos e ansiosa pela sequência.

A Aliança resiste e renasce!

Anúncios

3 pensamentos sobre “Star Wars – Os Últimos Jedi [crítica]

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s