Diário de Bordo #1 – Europa

A pedido da líder suprema, senhora do mundo e uma das donas deste blog, Mione Le Fay, eu farei o diário de bordo da minha viagem para a Europa. Contarei os perrengues, as doideiras, e as pouquíssimas loucuras que fiz ao longo dessa viagem. Então sem mais delongas, eu vou contar em cada diário no máximo dois dias da viagem.

Dia 1- O embarque no Galeão, aeroporto internacional do Rio de Janeiro.

Eu estava indo fazer a minha primeira viagem internacional sozinha, e como ansiosa que sou, eu já havia pensado em todas as possibilidades, desde o avião cair até uma das malas extraviar. Sério, eu fiquei aflita a semana inteira, para no dia mesmo, ao invés de quase passar mal de ansiedade, eu fiquei tranquila. Isso nunca aconteceu comigo. Nunca. Mas até ai beleza. Fica até difícil acreditar que uma ansiosa estava calma para sua primeira viagem. Então, fui eu para o aeroporto. Minhas duas mães comigo no carro, e meu pai iria nos encontrar lá.

Cheguei no aeroporto as 4 da tarde, sendo que meu voo era as 21 horas, na verdade, o aplicativo da empresa que eu iria fazer o voo, a KLM, já havia avisado que o voo que era as 21:45 iria atrasar e sairia as 22:15. Esse aviso chegou para mim as 12:30 do dia do voo, um atraso de meia hora já foi motivo para eles colocarem no aplicativo e ainda enviarem um email. Ou seja, mesmo com o atraso, eu ainda estava encantada com a KLM. O motivo eu explico depois, em um outro post.

Embarquei as 22:00, depois de quase todo o voo, pois eu não iria mesmo ficar na fila em pé sendo que no voo tinha lugar marcado. Eu peguei a janela, então, sobre o voo da KLM, ele está no meu vlog, pois acharam mesmo que só teria coisa escrita? Mas voltando a viagem, eu recomendo a KLM para todos que perguntam. Foi um atendimento exemplar, eu falei mais dela no video. Então vamos para a parte: cheguei em Amsterdam.

A imagem pode conter: 1 pessoa, selfie e área interna

Foto no Galeão, aeroporto do RJ, antes de embarcar.

Dia 2 – A conexão.

A KLM é uma empresa Holandesa, e pelas regras de aviação, a empresa deve fazer a saída de seu voo, uma conexão, ou a chegada, em seu país de origem. Logo, a minha conexão foi no Aeroporto de Schiphol, em Amsterdam. Pois, ela saiu do Brasil e a minha chegada era em Milão.

A imagem pode conter: céu, nuvem, avião, atividades ao ar livre e natureza

Iniciando o pouso em Schiphol

A imagem pode conter: avião, céu e atividades ao ar livre

Vista da minha janela antes de sair do Avião.

Dica numero um: Sempre pegue uma conexão gigante, assim você tem a chance de conhecer a cidade e mais um país na sua jornada. Uma pena que eu aprendi isso tarde. 

A minha conexão foi de 4 horas, ou seja, em Amsterdam eu não pude sair do Aeroporto, visto que o mesmo era longe da cidade, então para seguir a dica a cima, primeiro veja quanto tempo você vai levar até a cidade. Após isso, veja se realmente vale sair do Aeroporto, se não valer, pegue uma conexão menor.

Como eu não precisava correr, comprei os pins de Amsterdam, que são lindos. Eu coleciono esses Pins, ou melhor, eu comecei a coleção nessa viagem. Eu falarei sobre o  voo em um post especifico, apenas para falar bem da KLM, pois é necessário. Mas preciso falar que mesmo com o tempo completamente ruim em Amsterdam, o pouso foi muito suave. Só senti que estava em solo quando eu vi o chão, pois não parecia. Voltemos ao Aeroporto.

Ao chegar eu fiquei assustada pois eu tenho que passar pelo detector de metais novamente, e o raio x, o que para mim não faz muito sentido, ja que eu acabei de sair de um voo de 12 horas, a não ser que eu abra a janela dentro do avião, não vai ter nada de diferente na minha mala. Pensem comigo, se eu passei sem problemas no outro aeroporto… qual seria o problema? Mas beleza, passei sem problemas. E consegui chegar na imigração. Foi ali que eu juro por Deus que senti até um calafrio quando chegou a minha vez.

Como eu disse, eu sou ansiosa. Muito ansiosa, na hora que o cara pediu para falar o que eu iria fazer, a palavra intercambio simplesmente sumiu, ele então perguntou se eu iria fazer um tour e e eu disse que sim.

Dica numero dois: vá com hotel, intercambio, ou qualquer outra coisa, fechado do Brasil. Motivo, na hora da Imigração fica bem mais fácil o fiscal entender o que você está fazendo, então leve tudo impresso, nada de mostrar no celular. Leve no papel, e na sua mala de mão. Eu recebi essa dica na minha agencia de intercambio. E nossa, melhor dica ever. 

Após eu passar pela imigração, meu Jet Lag (nome dado a sensação que você tem a mudança de fuso), ainda estava acontecendo, mas eu mesma não senti muito. Era 12:00 em Amsterdam e 09:00 no Brasil. Logo, nem almocei pois não senti fome. Mas comi uma Pringles, e foi nessa hora que percebi como a Europa, no quesito comida, poderia ser muito barata. Comi a Pringles, e um doce e esperei pelo voo. Estava frio, temperatura de 1º grau celsius, tava frio para uma carioca.

O voo atrasou uma hora, o motivo era que o aeroporto estava com uma nevoa terrível ao redor dele, fazendo com que muitos voos fossem cancelados, então considerei o atraso de uma hora mais sorte que azar.

Dica numero três: Não inventa moda de levar comidinha da mamãe na mala de mão. Não é permitido que você passe no raio x com ela. Eu sabia disso, mas vi muita gente que não sabia. Então, cuidado. Alimentos não são permitidos, medicamentos, leve a receita até do dorflex, pois se eles implicarem… já era. Bebidas ou liquidos não podem ultrapassar 100ml, cada frasco. 

Embarquei em direção ao aeroporto de Linate, perto de Milão. E a primeira surpresa que eu tive ao chegar foi ver um Carrefour, até eu me lembrar, depois de 18 horas de viagem, que a empresa é francesa, demorou.

Dica numero quatro: se um dia você for a Milão, os aeroportos mais perto da cidade são Malpensa ou Linate. Por mais que os outros digam que são Milão, e possuem um transporte de 5 euros para o centro de Milão, eles não são exatamente em Milão. Então essa dica vale também para a sua conexão. Linate é o mais perto. 

Cheguei em Linate e me dirigi a cidade de Como, ultima cidade antes da fronteira com a Suíça, que era onde eu realmente iria ficar. Parei em um restaurante super simples, de turcos, mas que a comida era incrivelmente italiana. Provei o Tiramisu, e claro, uma massa. A massa foi a carbonara, com bacon e algumas ervas, além de levar creme de leite. Já o Tiramisu é uma sobremesa que lembra o pave, entretanto ela leva cacau ralado, o que deixa o gosto meio diferente para mim. Não fui tão fã.

De Como eu me dirigi a Balerna, uma cidade muito perto da fronteira com a Itália, porém, tipicamente Suíça. Então cheguei em minha acomodação e fui falar com minha família antes de dormir.

Considerações:

  • Sobre os 5 euros do onibus que sai do aeroporto: O aeroporto em questão é o de Bergamo, que é uma cidade próxima a de Milão. E esse dado fora coletado no dia 4 de fevereiro de 2017.
  • Essa viagem começou no dia 29 de dezembro de 2016, então, a data do voo da KLM foi a mesma.
  • A chegada em Amsterdam foi no dia 30 de dezembro de 2016, e a chegada em Linate foi as 19:00 horas por conta do atraso.

 

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s