A verdade por trás dos casos de Ed e Lorraine Warren – Parte 02

Finalmente vamos descobrir o que aconteceu verdadeiramente nos casos que deram origem aos filmes Invocação do Mal 1, 2 e Anabelle. Preparados? Então vamos lá:

The Conjuring – (Invocação do Mal, 2013)

Em 1970, Roger e Carolyn Perron junto com suas 5 filhas foram morar em uma grande casa em que 8 gerações da família anterior haviam vivid. Porém eles não sabiam que muitos dos moradores anteriores haviam morrido no local e dois deles haviam se enforcado. Assim que se mudaram começaram a presenciar algumas manifestações e a ver espíritos vagando pela casa, mas que não lhes faziam mal e pareciam gostar da família.

Um cheirava as flores, outro dava beijos nas crianças na hora de dormir, um que parecia varrer a casa e havia um que uma das filhas menores chamava de ‘Manny’ e era muito simpático e sempre que aparecia pela casa parecia lhes proteger. Depois de um tempo desconfiaram que se tratavam de Jhonny Arnold, que cometeu suicídio na casa em 1700.

No entanto tudo mudou quando os Perron resolveram chamar o casal Warren, para investigar e acabar com alguns fenômenos perturbavam a família. Fizeram uma sessão que deu errado e sem querer Ed e Lorraine acordaram uma entidade que se chamava Bathsheba e eles descreveram como uma “alma esquecida por Deus”.

Bathsheba foi acusada de bruxaria depois que com uma agulha de tricô fora enfiada no crânio enquanto estava sob seus cuidados. Mesmo não sendo provado que ela havia sido a culpado os moradores espalharam que ela havia feito isso em oferenda a Satanás.

Lendas dizem que Bathsheba teve vários filhos e todos morreram novos e que antes de morrer, aos 73 anos, ela amaldiçoou aquela terra e todos que viriam a morar nela. Depois disso houveram mais de 25 mortes “estranhas” naquele local sendo duas delas enforcamentos.

Em pouco tempo Bathsheba se mostrou muito agressiva com Carolyn e possessiva, se sentia atraída por Roger e via as crianças como filhos. Ed e Lorraine Warren tentaram de todas as formas livrar a casa do mal que caminhava por lá, mas nunca tiveram êxito. Até mesmo um padre foi enviado pelo Vaticano, mas o próprio disse que nada poderia ser feito para livrar aquelas casa dos maus espíritos. Dez anos depois após finalmente se restabelecerem financeiramente a família Perron conseguiu enfim se mudar para outro estado, mesmo que esse período quase tenha levado Carolyn à loucura.

null

Annabelle (Annabelle, 2014) 

Em 1970 Donna e Angie dividiam um apartamento e em seu aniversário, Angie ganhou de sua mãe uma boneca que logo começou a aparecer em posições diferentes e até mesmo em outros cômodos da casa. De inicio elas não ligaram muito, no entanto o que deixou as garotas assustadas foi quando começaram a aparecer pergaminhos com mensagens de ajuda escritas a lápis, mesmo elas não tendo pergaminhos em casa

Após um dia de trabalho Donna chegou em casa e achou a boneca com as mãos ensanguentadas. Ela chamou uma médium que lhe disse que a boneca tinha dentro de si o espirito de uma menina de 7 anos que outrora tinha vivido na casa chamada Annabelle Higgins e que também tinha sido morta na propriedade. A boneca deixou claro que amava as duas moradoras e tinha o desejo de ficar com elas. Com pena da menina Donna resolveu realizar seu desejo e deixa-la com elas.

Porém em pouco tempo coisas piores começaram a acontecer Lou, um amigo das duas, foi sufocado enquanto estava dormindo no apartamento. No dia seguinte, ele e Angie ouviram barulhos no quarto de Donna. Lou foi ver o que era e encontrou Annabelle jogada no chão. Ele sentiu uma presença o observando e alguns segundos depois sentiu uma forte dor no peito, quando olhou para baixou viu que sua camisa estava machada de sangue. Abriu a camisa e encontrou sete cortes no peito.

Donna procurou um padre para dar um fim a tudo aquilo. Em alguns dias os Warren ficaram sabendo do caso e após demonstrar interesse foram investiga-lo. Começaram então a realizar sessões onde descobriram que a boneca não estava possuída pelo espirito de uma doce menina, mas sim manipulada por uma entidade demoníaca, que tinha como objetivo final possuir o corpo de uma das moradoras.

Iniciaram então a limpeza do apartamento com um exorcismo que durou por volta de sete dias. Após isso a boneca foi levada pelo casal para sua casa onde existe um museu ocultista até hoje.

The Conjuring 2 (Invocação do Mal 2, 2016) 

No ano de 1977, a família Harper, que era composta por Peggy, uma mulher divorciada de 40 anos e seus quatro filhos (duas meninas e dois meninos), vivia normalmente em Enfield na Inglaterra, mas a partir do mês de agosto coisas estranhas começaram a acontecer na casa.

Certa noite Peggy foi acordada pelas crianças que estavam com medo de uma cadeira que ao que diziam estava se mexendo sozinha, achando que isso era fruto da imaginação deles ela ficou no quarto por um tempo, porém em alguns minutos uma cômoda se mexeu por volta de dois palmos de distancia, mesmo não tendo ninguém por perto. Ela pegou as crianças e sairam desesperados de casa buscando ajuda com os vizinhos. Eles revistaram a casa e o jardim em busca de algum possível invasor que estivesse causando os ruídos que Peggy lhes relatou e de algum forma tivesse mexido nos moveis, mas não encontram ninguém. Em vez disso, todos escutaram pancadas que ocorreram em curtos intervalos vindos de dentro da casa. Acharam melhor então chamar a polícia que que após ir no local registrou a ocorrência dizendo que a cadeira se mexia de forma inexplicável e que também era possível ouvir ruídos por toda a casa.

Em poucos dias as coias pioraram e em alguns cômodos objetos voavam, pegavam fogo, se ouviam mais barulhos e gemidos misteriosos, vindos de lugares onde não havia ninguém. Um dia Janet, sua filha de 12 anos, começou a entrar em transe frequentemente, falar com uma voz grossa e distorcida e subitamente levitou pela casa.

Quando a imprensa descobriu o caso, o Daily Mirror enviou o repórter Graham Morris para o local para testemunhar os acontecimento. E ele fez uma das fotos mais famosas: a levitação de Janet. Graham estava no quarto das meninas junto a mãe das mesmas quando Janet foi atirada de sua cama pela “entidade”. Nesse momento ele fez a imagem e foi essa imagem e seus relatos que convenceram a Sociedade de Pesquisas Psíquicas a enviar Maurice Grosse para investigar o caso. Ed e Lorraine foram por conta própria para a propriedade e ficaram lá apenas por um dia, no qual conseguiram informações suficientes para dizerem que o caso era real.

A visita de um padre 1978 a casa acalmou as coisas, embora as ocorrências não tenham terminado completamente. Peggy continuou morando na casa até a sua morte e disse que ainda ouvia barulhos na casa de vez em quando. Seu filho Billy, que viveu com sua mãe até seu falecimento, sempre sentia como se estivesse sendo vigiado.

Para conferir a parte 1 dessa matéria basta clicar aqui

Advertisements

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s