[Resenha] Sol e Tormenta – Trilogia Grisha

Perseguida ao longo do Mar Real e aterrorizada pela memória dos que se foram, Alina Starkov tenta levar uma vida normal com Maly em uma terra desconhecida, enquanto mantém em segredo sua identidade como Conjuradora do Sol. Mas ela não pode ocultar seu passado e nem evitar seu destino por muito mais tempo. Ressurgido de dentro da Dobra das Sombras, o Darkling retorna com um aterrorizante e novo poder e um plano que irá testar todos os limites da natureza.
Contando com a ajuda e com os ardis de um admirável e excêntrico corsário, Alina retorna ao país que abandonou, determinada a combater as forças que se reúnem contra Ravka. Mas enquanto seus poderes aumentam, ela se deixa envolver pelas artimanhas do Darkling e sua magia proibida, e se distancia cada vez mais de Maly. Ela será então obrigada a fazer a escolha mais difícil de sua vida: ter sua pátria, seu poder e o amor que ela sempre pensou ser seu porto-seguro ou arriscar perder tudo na tormenta que se aproxima.

Tem trilogias que são apaixonantes e essa com certeza é uma delas. Sol e Tormenta é o segundo livro da trilogia Grisha da Leigh Bardugo e sinceramente a história esta cada vez mais interessante, cheia de reviravoltas e novos personagens.

Alina e Maly estão fugindo do Darkling após os acontecimentos na Dobra e a destruição da cidade gerada por ele, muitos inocentes foram mortos. Starkov se sente responsável pelo o que ocorreu, visto que ela se permitiu ser usada pelo Darkling sem lutar. É visível que esta fuga na realidade foi àquela tentativa de viver uma vida normal, mas isso é muito difícil, ela possui um grande poder e renega-lo só causa mal a ela mesma, então ficou enfraquecida e se tornou um alvo fácil, pois os dois foram capturados pelo Darkling, este que por sinal adquiriu novas habilidades após o incidente no “Não Mar”.

Darkling, com esse desejo megalomaníaco de poder arrastou Alina e Maly pelo Mar Real em busca de um novo amplificador, o Açoite do Mar. É nesse momento que a história toma uma guinada muito boa com muita ação e aventura. O baleeiro que eles estão viajando pertence ao corsário Sturmhond, personagem esse que terá uma participação importantíssima ao decorrer da trama. Nem tudo é o que parece ser, e essas reviravoltas são geniais.

O que eu considero bem complexo é essa questão do poder, até que ponto ele pode corromper aquele que o usa ou até mesmo mata-lo? Alina sendo a única Conjuradora do Sol em milênios é a única esperança do país e do povo – Sem pressão! – com isso até status de santa ela ganhou, mas quanto mais poder ela adquire com esses amplificadores mais difícil será de manter o controle. Esses questionamentos são levantados por quem lê e pela própria personagem. Será que ela é realmente altruísta ou quer aumentar o seu próprio poder apenas pelo prazer? E toda essa imperfeição da personagem mostra o quanto ela amadureceu de um livro para outro e essa luta interna entre a luz e a escuridão é um dos pontos mais envolventes.

Como sempre rola esses triângulos, quadriláteros e coisas do gênero amorosos, e de todos para mim o que mais vale a pena é com o Darkling, porque rola o desejo mutuo e tem aquela coisa do escondido, porque ela não pode desejar aquele quem deveria destruir. E o desejo dos dois é uma parada muito bizarra. A autora soube dosar isso muito bem. A gente sabe que o grande amor dela é o Maly, então não acho que teremos grandes surpresas quanto a isso.

Maly, por sinal está irritante, ele não sabe como lidar com essas mudanças e perdeu o foco total.

Um dos novos aliados de Alina é o Nikolai Lantsov, o segundo filho do Rei, príncipe de Ravka. É um personagem complexo, cheio de artimanhas, muito inteligente, extremamente sarcástico e com humor negro. Ficou longe da corte por muitos anos, mas abrirá novas portas e fará com que de uma fez por todas a Conjuradora do Sol se posicione e assuma o seu papel liderando o segundo exercito contra o Darkling. A trama do livro se desenrola para algo mais político, cheio de intrigas, corrupção e revoluções iminentes.

Com uma narrativa fluida e rica em detalhes seu final foi de tirar o fôlego. O que nos deixa cada vez mais curiosos sobre o final da trilogia.

 

Trilogia Grisha:

Sombra e Ossos;

– Sol e Tormenta;

– Ruínas e Ascensão;

Anúncios

Um pensamento sobre “[Resenha] Sol e Tormenta – Trilogia Grisha

  1. Pingback: [Resenha] Ruínas e Ascensão – Trilogia Grisha | No Meu Mundo

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s