[Análise] Dez motivos para você ler Jogada Mortal de Harlan Coben

Depois de ver sua carreira no basquete profissional chegar ao fim antes mesmo de começar, Myron Bolitar trabalhou para o FBI, formou-se em direito em Harvard e hoje está à frente de uma agência de representações esportivas, que toca com a ajuda da grande amiga Esperanza.

Tudo parece ir bem até que Valerie Simpson, uma tenista que já foi a maior promessa do esporte, é morta durante um jogo do Aberto dos Estados Unidos. Ao que tudo indica, a jovem estava lá em busca de Myron, mas foi encontrada antes pelo assassino.

Myron não imagina por que Valerie foi atrás dele, mas se sente culpado por não tê-la encontrado a tempo. Para piorar, seu cliente mais importante, o tenista Duane Richwood, se torna o principal suspeito do crime.

Em busca da verdade, Myron descobre que a jovem vinha sendo assediada por um fã obcecado desde o início da carreira. Além disso, seis anos antes, ela estava prestes a ficar noiva do filho de um senador quando o rapaz foi morto sob estranhas circunstâncias.

Enquanto tenta desvendar o assassinato da tenista, Myron se tornará um obstáculo para os interesses da máfia, de um político poderoso e de uma família influente. Agora ele e as pessoas que mais ama podem ser as próximas vítimas.

10 motivos para você ler Jogada Mortal:

1) É um livro de Harlan Coben:

Apenas isso já deveria bastar para você querer ler este livro. Coben não é o tipo de autor que enrola você. Sua escrita é leve e fluída, a leitura não cansa, é divertida e irônica, sempre com um final rápido, eficaz que vai te surpreender até a última linha da última página de cada um de seus livros.

2) A editora é a Arqueiro:

Que está de parabéns pelo excelente trabalho que vem fazendo com as publicações dos livros do Harlan Coben e também de muitos outros autores de sucesso.

3) É mais um livro de Myron Bolitar:

Myron é um verdadeiro comediante, é quase impossível não gargalhar com ele durante a leitura de Jogada Mortal, principalmente quando ele está trocando farpas com o policial Dimonte.

E como sempre, a história acontece por causa de sua grande necessidade de ir atrás da verdade depois que uma ex cliente sua é misteriosamente assassinada.

4) E se tem Myron, tem Win:

Win é o personagem que eu mais gosto. Não porque ele é mauricinho, tem uma conta bancária de dar inveja e se acha lindo, tesão, bonito e gostosão.

Gosto do Win porque ele tem o tipo de aparência que engana você, e que basicamente, induz você ao erro. É a velha história do lobo na pele do cordeiro. Win tem uma visão um tanto radical quando o assunto é justiça, e o que assusta mais é que ele tem plena consciência disso e de tudo o que faz.

Assim como Myron, ele é o tipo de homem que faz justiça com as próprias mãos, a diferença é que ele leva a coisa literalmente ao pé da letra. Se você matou, estuprou e roubou hoje, merece morrer amanhã, ou agora, pra acabar logo com o ciclo. Assim. Friamente, sem pena e sem misericórdia.

E mesmo as coisas sendo pretas ou brancas para Win, não tem como não sentir-se cativada por ele. Ele é temido dentro dos livros e adorado pelos fãs dos livros da série Myron Bolitar. Você vai descobrir o fascínio se pegar qualquer um deles para ler.

5) Os diálogos são divertidos, não importa quem esteja dialogando:

 “Uma médica – refletiu Myron, colocando as mãos atrás da cabeça – Talvez eu possa seduzi-la com minha inteligencia e meu corpo sarado.’

‘Provavelmente – diz Esperanza – , mas, já que ela não está em coma, lancei mão de um plano alternativo.”

***

Mais adiante na rua, uma mulher pálida com um megafone anunciava ter se encontrado com Jesus. Ela entregou um panfleto a Myron.

“Jesus me mandou voltar com essa mensagem – disse ela”.

Myron assentiu e olhou para as manchas de tinta no papel.

“Pena que ele não lhe deu uma impressora decente”.

6) Tem romance (ainda que não seja o destaque da história):

Mesmo que Jessica e Myron não me convençam muito, digo isso não por ele, mas sim por ela. Não sei, não sinto confiança, fico mesmo com a pulga atrás da orelha com ela.

7) Personagens apresentados no primeiro livro são mais aproveitados:

Jake, que aparece em Quebra de Confiança está de volta, assim como Esperanza que é uma personagem importante para toda a série  com Myron, e nesta segunda parte, ela ganha um pouco mais de destaque.

8) Mas quem não leu o primeiro livro(Quebra de confiança) não vai ficar perdido:

Jogada Mortal é uma continuação de Quebra de confiança, mas dificilmente você vai ficar perdido se não tiver o lido. Claro que é sempre bom começar pelo primeiro da série, mas Coben faz um bom trabalho em explicar as coisas, então, se você não leu o primeiro e quer encarar este, não tem problema.

9) O enredo é um bom quebra-cabeça:

Que se encaixa perfeitamente no final. Não fica uma ponta solta e você termina o livro boquiaberto e satisfeito.

10) Tem uma lição de moral:

Ou várias.

O que você faria pelas pessoas que ama?

Até onde os fins justificam os meios?

Conclusão: Livro perfeito pra quem gosta de uma leitura rápida, divertida, prática , com muito suspense, mistério e ação.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s